Pular para o conteúdo
Início » Bondade

Bondade

Descrevemos o significado da palavra bondade, como mudou ao longo da história e por que é considerada um valor. Além disso, o que diz a Bíblia sobre bondade.

O que é bondade?

A bondade é, como a maioria dos dicionários a define, a qualidade de quão bom alguém é, ou seja, a tendência natural de fazer o bem espontaneamente ou, pelo menos, a resistência a fazer o mal. Obviamente, esta palavra vem de “bom”, que em latim traduz-se bonus, e por sua vez veio de duonos, “eficiente” ou “correto”.

Atualmente, a palavra bondade é um conceito moral complexo, no qual têm lugar outras noções como generosidade, amabilidade, respeito, consideração, empatia, lealdade, honestidade e responsabilidade. Isso porque a própria noção de “o que é bom” mudou bastante ao longo da história, assim como as culturas e religiões, ou seja, códigos de ética e conduta socialmente valorizados.

Por exemplo, na Grécia Antiga dizia-se que o bom deveria ser sempre belo e verdadeiro ao mesmo tempo, distinguindo-o assim do prazer e associando-o à virtude, isto é, à harmonia e ao equilíbrio. É por isso que, segundo os filósofos clássicos, o comportamento humano devia ser regido pelo que é proporcional, ou seja, pelo que é medido.

Assim, os gregos não falavam de bondade, mas de eudaimonia, termo que pode ser traduzido como “ felicidade ” ou “prosperidade”, o estado de maior satisfação do ser humano. Além disso, eles vinculavam-no de diferentes maneiras à areté ou virtude, e à frónesis ou sabedoria prática.

No entanto, a visão de bondade que imperou no Ocidente foi fortemente determinada pelo cristianismo, cujos preceitos foram lei durante toda a Idade Média europeia. Para o cristianismo, isso foi determinado por Deus, cuja vontade regia o universo, mas que ao mesmo tempo deu ao ser humano um livre arbítrio que ele poderia usar para fazer o bem ou o mal.

Essa noção do bem foi revolucionária, especialmente porque democratizou a virtude. No mundo pré-cristão, onde nobres e aristocratas nasciam virtuosos e escravos nasciam desonrados, as chances de se fazer o bem não eram as mesmas.

Por outro lado, segundo o credo cristão, todos os seres humanos são feitos à imagem e semelhança de Deus, e somos fruto do mesmo pecado original, de modo que nos definimos moralmente mais pelas nossas ações do que pelas nossas origens.

Este último foi fundamental para a ideia moderna da bondade, como mais tarde argumentou o filósofo alemão Immanuel Kant (1724-1804), segundo o qual o bem não pode ser julgado sem levar em conta a vontade do indivíduo, pois, se fôssemos obrigados a agir de determinada maneira, as próprias noções de bondade e maldade se perderiam, pois não haveria alternativa.

Fazer o bem é, então, escolher fazer o bem, e principalmente quando não há recompensa imediata a ser recebida, ou seja, quando não ganhamos nada com tal decisão.

Bondade como valor

Como todos os valores morais, na prática, a bondade não é um conceito absoluto e universal, já que depende muito do ponto de vista.

Uma ação bondosa pode ter consequências terríveis no futuro e trazer maior sofrimento a longo prazo, e uma ação egoísta ou maliciosa pode desencadear eventos que, a longo prazo, são de maior benefício para todos. Mas então, isso significa que tais ações são mais ou menos bondosas ou ruins?

Em geral, tendemos a pensar que não: que o bem e o mal são julgados num curto prazo e sem relação aos seus resultados finais, mas apenas com a própria intenção de quem os realiza, como vimos anteriormente a respeito de Immanuel Kant e do cristianismo. É a isso que se referem frases como “o que conta é a intenção” e, paradoxalmente, como “o caminho para o inferno está pavimentado de boas intenções”.

No entanto, a bondade é considerada um valor supremo que pode ser traduzida em muitas formas de agir em benefício dos outros e não em benefício próprio, chegando até mesmo ao sacrifício do próprio bem-estar para tornar o mundo um lugar melhor. Aqueles que adotam esse tipo de comportamento, chamamos de “bondosos” ou simplesmente “bons”.

Bondade na bíblia

A noção de bondade na Bíblia está fortemente ligada a Deus como exemplo e inspiração aos seus fiéis. Nesse sentido, pode variar entre o Antigo Testamento, cujo Deus aparece nas histórias mais vingativas e terríveis, e o Novo Testamento, cujo Deus, por outro lado, é misericordioso, disposto a perdoar e ao sacrifício amoroso.

Assim, enquanto o Deus do Antigo Testamento era capaz de atos terríveis, como a destruição de cidades inteiras, o Deus de Cristo está disposto a sacrificar o seu próprio filho e profeta, Jesus de Nazaré, para expurgar os pecados da humanidade e permitir-lhe uma nova chance de retornar ao caminho da salvação.

Ou como diz o Evangelho de São Lucas (Lucas 6:35): “Antes, amem seus inimigos, façam o bem e emprestem sem esperar nada em troca, e sua recompensa será grande, e sereis filhos do Altíssimo; porque Ele é bondoso para com os ingratos e perversos”.

Sinônimos de Bondade

Bondade é sinônimo de: “clemência”, “indulgência”, “misericórdia”, “amabilidade”, “benevolência”, “benignidade”.

Antônimos de Bondade

Bondade é o antônimo de: “maldade”, “ruindade”.

Referências:

“bondade” em Dicionário Online Priberam de Português.
“Bondade” em Wikipédia, a enciclopédia livre.
“Significado de Bondade (O que é, Conceito e Definição)” em Significados.
“Immanuel Kant” em Wikipédia, a enciclopédia livre.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *